Muro de Berlim

Muro de Berlim dividiu a cidade em duas partes durante 28 anos. Conheça os detalhes da sua construção, queda e história, e descubra onde ver os restos do que se tornou o símbolo da Guerra Fria.

A construção do Muro de Berlim e especialmente sua queda fizeram parte dos momentos mais importantes da história do século XX. Este muro dividiu Berlim em duas partes durante 28 anos, separando famílias e amigos

Antecedentes

Ao terminar a II Guerra Mundial, depois da divisão da Alemanha, Berlim também ficou dividida em quatro setores de ocupação: soviético, americano, francês e inglês. As péssimas relações entre os comunistas e os aliados foram crescendo até chegar ao ponto de surgirem duas moedas, dois ideais políticos e, finalmente, duas alemanhas.

Em 1949, os três setores ocidentais (americano, francês e britânico) passaram a se chamar República Federal Alemã (RFA) e o setor oriental (soviético) se tornou a República Democrática Alemã (RDA).

Berlim ficou dividida e foram criados 81 pontos de passagem entre as duas zonas da cidade.

A construção do muro

A maltratada economia soviética e a florescente Berlim ocidental fizeram com que até 1961 quase 3 milhões de pessoas deixassem para trás a Alemanha Oriental para entrar no capitalismo.

A RDA começou a se dar conta da perda de população que sofria (especialmente de altos perfis) e na noite de 12 de agosto de 1961 decidiu levantar um muro provisório e fechar 69 pontos de controle, deixando apenas 12 abertos.

Na manhã seguinte, foi colocado um alambrado provisório de 155 quilômetros que separava as duas partes de Berlim. Os meios de transporte ficaram interrompidos e nenhum podia atravessar de um lado para o outro.

Durante os dias seguintes, começou a construção de um muro de tijolos e as pessoas cujas casas estavam na linha de construção foram desalojadas.

Com o passar dos anos, houve muitas tentativas de escapar, algumas com sucesso, o que levou à ampliação do muro até limites insuspeitados para aumentar a segurança. 

-publicidad-

O Muro de Berlim acabou se tornando uma parede de concreto com uma altura entre 3,4 e 4 metros, com um interior formado de cabos de aço para aumentar sua resistência. Na parte superior, colocaram uma superfície semiesférica para que ninguém pudesse se segurar nela.

Acompanhando o muro, foi criada a chamada “faixa da morte”, formada por um fosso, um alambrado, uma avenida pela qual circulavam constantemente veículos militares, sistemas de alarme, armas automáticas, torres de vigilância e patrulhas acompanhadas de cachorros as 24 horas do dia. Tentar escapar era similar a jogar roleta russa com a arma carregada. Ainda assim, foram muitos os que tentaram.

Em 1975, 43 quilômetros do muro eram acompanhados das medidas de segurança da faixa da morte, e o resto estava protegido por cercas.

Atravessando o muro

Entre 1961 e 1989, mais de 5.000 pessoas tentaram cruzar o muro e mais de 3.000 foram detidas. Cerca de 100 pessoas morreram tentando, a última delas em 5 de fevereiro de 1989.

No Museu do Muro de Checkpoint Charlie narram as histórias mais curiosas de como as pessoas conseguiram cruzar o muro. 

A queda do muro de Berlim

A queda do muro foi motivada pela abertura das fronteiras entre a Áustria e a Hungria em maio de 1989, já que cada vez mais alemães viajavam à Hungria para pedir asilo nas diferentes embaixadas da República Federal Alemã. Esse fato motivou enormes manifestações na Alexanderplatz, o que fez com que, no dia 9 de novembro de 1989, o governo da RDA afirmasse que a passagem para o lado oeste estava permitida.

Nesse mesmo dia, milhares de pessoas se aglomeraram nos pontos de controle para poder cruzar para o outro lado e ninguém podia detê-los, o que acabou levando a um êxodo massivo.

No dia seguinte foram abertas as primeiras brechas no muro e começou a contagem regressiva para o final dos seus dias.

Depois de terem sido liberados, famílias e amigos puderam voltar a se ver depois de 28 anos de separação forçada. 

Onde ver os restos do muro de Berlim 

A parte mais importante que se manteve em pé está na zona conhecida como East Side Gallery. Ali podemos percorrer 1,3 quilômetro de muro decorado com impressionantes pinturas que refletem diversos acontecimentos relacionados ao muro.

Na exposição chamada Topografia do Terror, situada ao lado do Checkpoint Charlie, também é possível encontrar restos importantes do muro.

Visita guiada 

Você aprenderá mais sobre o Muro de Berlim na nossa visita guiada Berlim durante a Guerra Fria.